O seu conteúdo literário preferido na tela do seu computador!
 
Página Inicial - Aventuradeler.com

A que viemos

Aventura de ler

Sala de aula

Livros

Transversais

Contos

Crônicas

Poesias

Biografias

Assim falou

QuizArte

Cinema

Colunas

Bibliografia


Livros
Dom Quixote
 
Livro dom Quixote

Existem tantos Quixotes quanto seus leitores. Difícil dizer o que representa Dom Quixote, mas fácil saber o que ele não representa. Dom Quixote não representa a decadência da Espanha pois, no tempo de Cervantes, o país ainda usufruía de muitas riquezas e grande prestígio. Também não se trata de uma sátira às Novelas de Cavalaria, que narram histórias de homens sonhadores e feitos heróicos, histórias essas encontradas nos livros que Cervantes, desde muito cedo, lera com avidez e deslumbre: Amadis de Gaula, Carlos Magno e os Doze Pares de França , Os amores de Roldão, A Cavalaria Cristã , O Livro do Sábio Merlin , El Cid , Os Cavaleiros da Távola Redonda ... e dezenas de outros, que constavam em sua biblioteca.

Que ou quem representa, pois, Dom Quixote? A ele mesmo, e ao seu autor, com quem formava uma unidade; a qualquer indivíduo que, como ele, possa dizer: Sei quem sou e quem posso me tornar, se assim o decidir . Dom Quixote é uma obra clássica porque traz em si os anseios imperecíveis na alma do ser humano: o amor à vida e à liberdade. A liberdade em Dom Quixote é de tal forma ilimitada que ultrapassa o tempo e o espaço – pois encetou a busca dos ideais do Cavaleiro Andante, quando há muito estes haviam desaparecido da face da Terra, quando já não existia na Terra espaço espiritual para a existência de Cavaleiros Andantes.

Ao empreender batalhas contra imaginários feiticeiros e gigantes, está, na verdade, empreendendo sua busca do Santo Graal, que é, ao fim de contas, a vida e a esperança que existe dentro de cada um de nós. Seu Graal era ser ele mesmo, livre para agir e sonhar, deixar-se levar pela loucura sagrada, ignorando quaisquer laços que o amarrassem à realidade que o circundava: o senso comum, os preconceitos, o poder do dinheiro, as leis dos padres, a incompreensão dos homens. Que importa que lute contra moinhos de vento, proteja damas que não correm perigo, idealize como belíssima princesa a maltrapilha Dulcinéia? Importa sua verdade mais íntima e seu mais caro anseio, que se identifica com o anseio de Cervantes, tantas vezes preso e libertado: A liberdade, Sancho, é um dos dons mais preciosos que os céus concederam aos homens; pela liberdade e pela honra, deve-se arriscar a vida, pois não existe maior mal que o cativeiro .

 A liberdade é um bem que transcende a escuridão dos calabouços e alcança o infinito – pois Cervantes, encarcerado em Sevilha, teve na prisão o espírito livre para encetar a criação de sua obra-prima, assim como Dom Quixote, cerceado pelo senso comum da sociedade, conseguiu viver seu mundo imaginário. Como profetizara, sua perenidade transmutou-se através dos séculos – no bronze, no mármore, nos quadros – e, mais do que ele podia imaginar: na música, no balé, na ópera, no cinema... Quatro séculos depois, geração após geração, seu sonho continua a ser fonte de inspiração, como na música do conjunto brasileiro “Barão Vermelho”: Mas quem tem coragem de ouvir / amanheceu o pensamento / que vai mudar o mundo / com seus moinhos de vento .

 

Publicado em: 14 fevereiro, 2007   

http://pt.shvoong.com/books/485476-dom-quixote-la-mancha/#ixzz1KanZsyGw

 

 

Todos os conteúdos deste site estão registrados. Maura Maciel. - Todos os direitos reservados © 2010 - Desenvolvido por Anselmo Pereira